19 de set de 2018

UFC lança nova oferta de Atenção à Saúde da Pessoa Idosa

UFC lança nova oferta de Atenção à Saúde da Pessoa Idosa

Com carga horária de 60h, a oferta fornece aos profissionais de saúde os conhecimentos necessários para uma abordagem integral e qualificada da pessoa idosa na Atenção Básica

UFSC lança novo curso sobre a saúde do Homem



UFSC lança novo curso sobre a saúde do Homem

Com carga horária de 30h, o curso é livre e tem como objetivo implementar e fortalecer a Política Nacional de Atenção Integral à Saúde do Homem




QUEM APOIA A LUTA DOS ASSISTENTES SOCIAIS DO PARÁ

Biografia
QUEM É MIRO SANOVA?

O DEPUTADO QUE CONHECE O PARÁ E TRABALHA POR NOSSA GENTE.

124 MUNICÍPIOS VISITADOS

Jovem e dinâmico parlamentar, Waldemiro Eduardo de Assis Sanova Nascimento, de 34 anos, está no primeiro mandato de deputado estadual, eleito com 24.374 votos, em 2014. Antes, foi vereador de Ananindeua, eleito pela primeira vez em 2008, e reeleito em 2012. 

Miro Sanova, como é conhecido, nasceu em Ananindeua, em 10 de Dezembro de 1981. É filho do saudoso médico e ex-vereador, Nonato Sanova, e de Iolanda Sanova. É casado com Lorena Sanova, com quem tem um filho. Tem formação em Direito, Comunicação Social (Publicidade e Propaganda), com especialização em Marketing.

Antes da vereança, Miro atuou como chefe de gabinete da Secretaria de Estado de Defesa Social, no Pará. 

Na Câmara Municipal de Ananindeua, conseguiu aprovar importantes projetos, dentre eles, o que Institui Ações de Prevenção à Violência dos Idosos. 

Licenciado do cargo de vereador, em 2009 assumiu um grande desafio: a Secretaria de Cultura, Esporte e Lazer de Ananindeua. Período em que Sanova implantou importantes projetos de Cultura e Esporte naquele município. Quando voltou ao cargo de vereador, trabalhou pela revitalização de praças, e por diversas obras e serviços para a população. No segundo mandato, ele foi o vereador que mais promoveu audiências públicas, debatendo temas de grande relevância para a sociedade. 

Agora, na ALEPA não tem sido diferente. O parlamentar levanta diversas bandeiras de luta em favor da população do Pará, e a principal delas é a Educação, por acreditar que, com uma educação de qualidade, poderemos ter uma sociedade muita mais desenvolvida, e com menos desigualdade social. 

Apresentou dezenas de projetos de Lei, Moções, e diversas sessões especiais foram realizadas, uma que debateu sobre pagamento do Seguro Defeso no Pará; outra sobre Mobilidade Urbana, duas sobre a implantação do Polo Universitário (UFPA, UEPA e IFPA), em Ananindeua, um sobre o Distrito Industrial de Marituba...

Miro Sanova é o deputado estadual de maior produção no parlamento. Somando Projetos de Lei, Moções, Requerimentos, e Emendas Parlamentares, já ultrapassam mais de 140 proposições em dois anos de trabalho. (2015/2016). 

Até agora, Miro já visitou 124 municípios paraenses. E hoje e vice-presidente da Assembleia Legislativa do Pará.

Sem dúvida, é um brilhante parlamentar, e que tem honrado o compromisso com aqueles que lhe confiaram o voto, e mais ainda, com toda população do Estado. 

No dia 18 de junho de 2016, recebeu justas homenagens da sociedade paraense, como uma de suas Personalidades mais influentes no biênio 2015/2016, e este ano repete a honra de ser escolhido novamente com uma das maiores personalidades de 2016/2017.

Fonte: ASCOM Miro Sanova
E-mail: ascom@mirosanova.com.br

QUEM APOIA A LUTA DOS ASSISTENTES SOCIAIS DO PARÁ


Em defesa dos direitos sociais, políticas públicas e democracia!
Professor Universitário, Assistente Social e Pré-Candidato a Deputado Estadual do Pará, pelo PT. Em defesa dos direitos sociais, políticas públicas e democracia!

6 de set de 2018

Entre o Brasil e a África houve uma troca forte e poderosa, diz Alberto da Costa e Silva


https://www.youtube.com/watch?v=at3a-ptsC2I

Durante mais de 350 anos de tráfico transatlântico, o Brasil recebeu cerca de 5 milhões de africanos escravizados.

Entre os séculos 16 e 19, este brutal comércio fez prisioneiros de diferentes partes da África. Cerca de 12 milhões de pessoas foram retiradas de seus lares e, nesta travessia, mais de 2 milhões de africanos perderam suas vidas.

O Brasil foi o maior receptor desse fluxo forçado, o que deu ao país o título de segunda maior população negra do mundo, atrás apenas da Nigéria, na África.

Neste especial sobre o Dia da África, criado em 25 de maio de 1963 e marcado anualmente pela comunidade internacional, o Centro de Informação das Nações Unidas para o Brasil (UNIC Rio) entrevista Alberto da Costa e Silva – ex-embaixador em países africanos e membro da Academia Brasileira de Letras (ABL) – sobre a importância do continente africano para a formação do Brasil e sobre o cruel tráfico transatlântico.

Confira o vídeo especial. Matéria completa em bit.ly/africa-alberto.

5 de set de 2018

País sem civilização


A queda da ponte Morandi, em Gênova, no mês passado, e o incêndio de ontem que destruiu o Museu Nacional, no Rio de Janeiro, o mais antigo e mais importante do país, unem Itália e Brasil na algaravia do mundo latino. Ao ver o cenário da ponte que desabou, qualquer ser dotado de racionalidade sofreu um estupor: um país como a milenar Itália, uma das principais fontes da cultura ocidental, permitiu que a ponte fosse construída naquele local, passando por cima de conjuntos residenciais, e a deixou entrar em colapso, insensível a anos de queixas e denúncias sobre o risco de um acidente, que, afinal, matou menos pessoas (43) do que o cenário do desastre sugeria (intervenção divina para suprir a omissão humana?).

Ontem, apanhado de surpresa pelas imagens das labaredas intensas, altas e vivíssimas, que consumiam o Museu Nacional, na outrora idílica Quinta da Boa Vista, só teve tempo de sentar e acompanhar em transe o que acontecia. Ironia punitiva, a destruição se consumou menos de quatro meses depois que a instituição, uma das raras do Brasil de importância mundial, completou 200 anos. Já não havia motivos para comemorar nada em maio.

Como no caso da ponte italiana (e de milhares de obras de infraestrutura espalhadas pela Europa), o estado de abandono clamava aos céus por resposta. Finalmente, o BNDES, de cujos cofres saíram (e foram dilapidados) bilhões de reais para criar multinacionais e bilionários brasileiros com pés de barro e mãos de lama, se comprometeu a aplicar míseros 22 milhões de reais (troco de propina no âmbito da corrupção na Petrobrás) para que o rico museu não estivesse tão vulnerável.

Ontem, depois que o público (média mensal de 20 mil visitantes) saiu e os portões foram fechados, restaram no enorme palácio quatro agentes de segurança e nenhum esquema anti-incêndio minimamente crível para enfrentar o voraz incêndio, que destruiu quase tudo em poucas horas. Levará tempo para saber tudo que foi destruído, o valor da destruição e dimensionar o que será preciso fazer para que a instituição renasça, se tal é possível.

O episódio é um atestado do desprezo dos brasileiros pelos valores de uma civilização, sem os quais nenhuma nação se estabelece como tal. Pitonisas, profetas e julgadores que surgem depois de uma tragédia dessas só aumentam a sensação de perda, impotência e desconsolo, dando mais tempero amargo à desesperança brasileira em véspera de eleição geral.

Vem aí o Seminário Nacional “O trabalho do/a assistente social na assistência estudantil”

Evento ocorrerá em Cuiabá (MT) nos dias 22 e 23 de novembro. Inscrições em breve pela internet
A assistência estudantil é um dos campos de trabalho de assistentes sociais no Brasil. Para refletir sobre  essa atuação e seus desafios na atual conjuntura de retrocessos dos direitos da população, o CFESS e o CRESS-MT promoverão, em 22 e 23 de novembro de 2018, o Seminário Nacional O trabalho do/a assistente social na assistência estudantil

Livro reúne debates do 5º Encontro Nacional Serviço Social e Seguridade Social



Já está disponível para baixar o livro com os debates do 5° Encontro Nacional de Serviço Social e Seguridade Social, evento realizado em Belo Horizonte/MG entre os dias 19, 20 e 21 de novembro de 2015, no qual o Serviço Social brasileiro reafirmou que “Seguridade Social pública e estatal é possível!”.
 
 

8 de ago de 2018

IFSW NO FÓRUM DE ALTO NÍVEL POLÍTICO DAS NAÇÕES UNIDAS 2018

FEDERAÇÃO INTERNACIONAL DE ASSISTENTES SOCIAIS


Dr Sebastian Cordoba representado IFSW no Fórum Político de Alto Nível das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável (HLPF) em julho, defendendo para uma maior ação do governo e destacando o importante papel que os assistentes sociais têm na realização dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (DPSs). O HLPF é um evento anual, onde durante oito dias os Estados membros e organizações chave não-governamentais se reúnem para rever a 2030 Agenda de Desenvolvimento Sustentável e do ODS. O tema deste ano incidiu sobre “Transformação para sociedades sustentáveis ​​e resilientes”, que é fortemente alinhados com o tema do Dia Mundial do Serviço Social deste ano.
Fórum Político de Alto Nível da ONU

Durante todo o fórum tornou-se claro que, sem um maior compromisso e ação significativa dos estados membros, não vamos atingir os Objectivos até 2030. O fórum destacou o importante papel que as ONGs e assistentes sociais têm em não apenas contribuindo ação significativa para as metas, mas também responsabilizar os governos por sua inação. O tema continuou na maior parte da discussão foi o quanto o actual clima de nacionalismo e protecionismo está a afectar os compromissos globais e se não fizermos alguma coisa com urgência, haverá conseqüências devastadoras.
Sebastian Cordoba
Para atingir as metas como assistentes sociais que são necessários mais do que nunca. Assistentes sociais trabalham com comunidades que são mais atingidas pelas alterações climáticas e desempenham um objetivo central na promoção de sociedades sustentáveis e resilientes. Os assistentes sociais estão na linha de frente da proteção dos direitos humanos e é em nosso trabalho diário que podemos garantir que cada indivíduo é livre de discriminação, opressão e perseguição. Se, na prática direta, desenvolvimento comunitário, a política ou academia, assistentes sociais são parceiros-chave para atingir essas metas. 
O fórum destacou o quanto o trabalho ainda é necessária, e como bem colocado nossa profissão é fazer uma contribuição significativa para a criação de um, socialmente justo e sustentável mundial equitativa.

Dr Sebastian Cordoba 
IFSW representante curto prazo para as Nações Unidas


6 de ago de 2018

Assistentes sociais no combate ao racismo! Conjunto CFESS-CRESS lança campanha de gestão e divulga primeiro cartaz

“Quero começar dizendo que ‘Assistentes sociais no combate ao racismo’ é muito mais do que uma campanha. É uma convocação à nossa categoria, que já passa de 180 mil profissionais inscritos/as”. Com essa afirmação, a presidente do CFESS, Josiane Soares, conduziu o lançamento da Campanha de Gestão do Conjunto CFESS-CRESS 2017-2020, atividade ocorrida nesta quarta-feira (1º), durante o 2º Seminário Nacional O trabalho do/a assistente social na política de assistência social, em Fortaleza (CE).

O tema da campanha foi aprovado coletivamente no 46º Encontro Nacional CFESS-CRESS, em 2017, em Brasília (DF). De acordo com a presidente do CFESS, o contexto mundial de barbarização da vida social sob o capitalismo, “em que a desigualdade parece não ter mais limites para crescer e se reproduzir, reflete uma situação que tem sido ‘fermento vivo’ para revigorar o conservadorismo em seus diferentes matizes e fazer ressurgir des-valores que julgávamos superados por lamentáveis experiências históricas recentes, como o nazi-fascismo. Em meio a vários aspectos emblemáticos desse nosso tempo de des-valores, sem dúvida, o racismo é central”, explicou Josiane Soares.


CFESS

3 de jul de 2018

TRABALHO COMO CATEGORIA DO HOMEM E DAS RELAÇÕES SOCIAIS

TRABALHO COMO CATEGORIA DO HOMEM E DAS RELAÇÕES SOCIAIS 
Lorena Foinkinos1 
Síntia Luz2 

RESUMO O artigo busca caracterizar o trabalho na concepção marxista a partir de seu método de construção dialética teórica. O movimento real do objeto, quando em contato com o pesquisador, se reproduz de maneira ideal, em seu pensamento. Verificou-se que a categoria Trabalho foi sendo construída ao longo de anos de reflexão feitos por Marx, e que foi sendo desenvolvido sob múltiplas determinações, com a relação de produção, o lucro, a mais valia, a alienação e a consciência criativa. Dessa forma pode ser compreendida como mercadoria que se comercializa em uma tensão dialética de explorações e conquistas. Palavras-Chave: Trabalho. Método de Marx. Construção teórica. 


O NUPAS NA PESPECTIVA DE TECNOLOGIAS SOCIAIS




RESUMO
 Por: ALBERG COSTA GUIMARÃES,
 ISABEL NEODETE RODRIGUES NOVAZ, 
TATIANE GUEDES OLIVEIRA

O estudo discute sobre a potencialidade de tecnologias sociais no contexto de estágio no NUPAS (Núcleo de Práticas de assistência social) no município de Redenção-PA, vinculada. Experiências de tecnologias sociais vem se ampliando no mundo, especialmente em países periféricos ou em desenvolvimento, como é o caso do Brasil. Na literatura do serviço social são poucas referências. Organizações da sociedade civil são as principais no desenvolvimento de tecnologias sociais. Os autores e também estagiário do NUPAS expõem no texto que as tecnologias sociais podem contribuir para uma intervenção profissional mais consequente e gratificadora em relação às práticas convencionais. A pesquisa foi descritiva e qualitativa, contendo entrevista semiestruturada e observação participativa. Os posicionamentos dos sujeitos foram de reconhecimento do valor das ações de tecnologias sociais. O trabalho indica que na formação de assistentes sociais deveria investir mais em conteúdos referente a tecnologias sociais. 

Palavras – chave: Tecnologia Sociais.   Serviço Social.  Ações em redes.